Resenha: O Garoto Que Tinha Asas, de Raiza Varella

* Essa resenha contém spoilers do livro “O Garoto dos Olhos Azuis“.

“(…) é engraçado como algo que te machuca a vida toda se anula quando você conhece a felicidade, daquelas de verdade que tem o poder de colorir seu mundo com um único sorriso torto.”

Oi, gente!

Quando soube que “O Garoto dos Olhos Azuis” teria continuação, surtei! Quem já leu a resenha do primeiro livro por aqui, no post anterior, sabe o quanto me apaixonei pelo enredo criado por Raiza Varella. A princípio, seria um livro solo, mas como várias pessoas imploraram pra autora por uma continuação que contasse a história de outros personagens, ela resolveu criar uma trilogia, que se chama “Encantados“.

O primeiro livro conta a história da Babi, que é abandonada no altar pelo noivo. Como se não fosse o bastante, ele a troca pela sua melhor amiga. Para superar esse baque, ela se muda para o apartamento dos irmãos, Augusto e Gustavo, que são extremamente protetores com ela. Eles dividem o apê com mais dois amigos, Ian e Bernardo, e ocasionalmente são visitados por Vivian, irmã de Ian, com quem Babi desenvolve uma grande amizade.

o garoto que tinha asas livro capaNo segundo livro, “O Garoto Que Tinha Asas” (publicado inicialmente de forma independente em 2016, com 408 páginas, e atualmente com nova edição física publicada pela Editora Pandorga, 2016, 432 páginas), o protagonista é outro: Augusto, o irmão mais velho da Babi. No livro anterior, conhecemos um pouco da personalidade dele, que não é nada agradável. Augusto é grosso, egoísta, agressivo e de forte temperamento, tanto que o apelido dele entre os amigos e a família é Monstro.

Ele é um renomado médico, dono de uma carreira sólida e do hábito de dispensar uma mulher atrás da outra sem piedade. Nunca se apaixonou e não acredita que um dia irá encontrar uma mulher interessante o suficiente para mudar esse fato. Mas o destino parecia pensar diferente.

Em uma madrugada fria, ele presencia um terrível acidente de carro e conhece a garota sem nome. Uma garota que há muito tempo não sabe o que é ter um lar, se sentir segura e não precisar fugir de ninguém até que, em meio aos destroços, ela vê alguém correr em sua direção, um garoto que ela poderia jurar ter asas.

Embora Augusto esteja muito longe de se parecer com um anjo, ele acaba por salvar a sua vida. Pela primeira vez, o médico de pouco humor e muito caráter terá que enfrentar e ir contra todos os seus princípios para cumprir uma promessa que não deveria ter feito e, de quebra, quem sabe, se apaixonar.

“(…) quando menos esperamos, topamos com alguém que tem a chave para desvendar o segredo e fazer a sensação de falta de segurança ceder.”

O que achei:

Vou confessar: embora eu tenho gostado do Augusto no primeiro livro, uma das atitudes que ele toma com relação a Babi me deixou decepcionada (não vou fazer spoilers, mas quem leu sabe qual é). Quando soube que ele era o protagonista, percebi que ia me deparar com um personagem muito forte, e que provavelmente me “machucaria”. Foi exatamente isso que aconteceu, mas sabia que a mocinha chegaria pra balancear as coisas… Ou não.

Tudo o que encontrei no primeiro livro e que amei também está aqui: as relações familiares intensas, a amizade verdadeira, as frases ou trechos de músicas iniciando cada capítulo de forma genial, te preparando para o que vai acontecer…

Uma das coisas que mais gosto nos livros da Raiza é a maneira como ela constrói os personagens e sua narrativa envolvente. Os diálogos e as ações são tão reais, tão humanos, que consigo visualizar perfeitamente bem cada movimento deles, cada conversa e cada troca de olhares e isso é o que torna a experiência da leitura tão cativante e agradável!

“Eu sempre quis amor e para mim felicidade é encontrar alguém que o devolva.”

A diferença, no entanto, veio no enredo. Se a Babi era toda espevitada, o que trouxe bastante humor, aqui esse lado mais engraçado é quase inexistente. A história possui mais drama e é bem mais delicada, pois envolve, também, uma criança: Nicholas. Percebi, então, o quanto o enredo teve que ser bem trabalhado pra não chocar o leitor, pois os mais sensíveis, como eu, acabariam se transportando pra dentro do livro e iam acabar sofrendo se a criança não recebesse a atenção que necessitava.

Augusto, como disse, tem um comportamento muito estúpido, principalmente com as mulheres. Ele só precisa delas por uma noite e nada mais. Mas quem pode culpá-lo? Sem vontade de se comprometer, livre, bonito e bem sucedido, ele sempre deixa bem claro o que quer. Se alguma mulher espera mais do que isso, está mentindo pra si mesma.

Ao se deparar com um acidente e salvar a “garota sem nome”, que depois atende por Anna, ele se envolve demais em um assunto que, à princípio, não lhe diz respeito, mas onde acaba se afundando e se interessando mais e mais.

“Sempre que eu penso em felicidade, penso em pessoas. Talvez comer bem, andar bem-vestido ou dirigir uma máquina potente seja realmente divertido, mas fazer tudo isso sozinho não tem graça, para mim teria valor apenas se a pessoa que fizesse tudo isso comigo fosse valiosa.”

A garota, por sua vez, guarda um grande segredo, que é o gás pra você virar página após página aguardando ansiosamente para que ele seja revelado. A autora só o faz nas últimas páginas e, mesmo assim, não me decepcionou. O nível do mistério foi condizente com o choque do passado obscuro dela e achei a explicação para suas atitudes bem satisfatória.

Meu maior problema foi que me peguei torcendo pelo casal desde as primeiras páginas e, novamente, há um comportamento com-ple-ta-men-te revoltante do Augusto que me fez odiá-lo pelo restante do livro. Isso tirou totalmente meu encanto por ele… Sei que não podia esperar outra coisa do Monstro e entendo que essa é a forma de mostrar que, não importa quão forte seja o sentimento de uma pessoa, mudar é difícil e não acontece da noite pro dia. Mas, infelizmente, foi um fato que não me agradou e não consegui simplesmente passar por cima dele e chegar intacta ao final do livro… Sim, sou dessas ciumentas literárias!

A garota, por sua vez, também me chateou ao exigir demais de Augusto o que ele negou a tantas outras a vida inteira, e por fazer tanto mistério sobre seu passado e escondê-lo de todos, agindo de forma tão egoísta quanto o próprio Augusto.

“O amor é isso. Você suporta alguém comendo o seu sorvete, roubando seu carro, seu travesseiro, o poder do controle remoto. Você releva as roupas jogadas pela casa, o mau humor e as crises de choro. Você apoia, Augusto, você melhora, você se doa.”

No fim, são dois personagens fortes e com convicções firmes, que amadurecem juntos e aprendem um com o outro. Gostei bastante do livro, ri e escorreu uma lágrima ou outra (especialmente com as falas do Nicholas, que despertaram um lado materno em mim que eu desconhecia, rs). O veredicto é: não tem como não amar!

Infelizmente li o livro em e-book, então não pude ter contato físico com a maravilhosa capa, que combina perfeitamente bem com a primeira, nem com a belíssima diagramação do outro livro. Encontrei alguns errinhos de revisão, mas que não atrapalham na leitura e que com certeza devem ter sido sanado na edição física publicada pela Editora Pandorga.

A narração continua daquele jeitinho genial que amo: ora na visão do Augusto, ora na visão da Anna. A novidade, aqui, é que também entramos na cabeça da Babi, do Ian, da Vivi… Já disse que amo essa família?! ❤

“A minha felicidade está na liberdade de viver sem amarras.”

De forma geral, a autora me agradou novamente e me segurou do início ao fim! Tô super ansiosa pra chegar ao próximo livro e conhecer mais do outro irmão: Gustavo! Aqui, ele passa o livro inteiro escondendo alguma coisa da gente (sim, eu entro no livro) e toma uma atitude que deixa a Babi muito *#@$%& da vida (motivo de eu ter me divertido muito no final, rs). Quero ver como ele vai sair dessa e se resolver com ela antes que um homicídio aconteça na trilogia! 😀

Agradeço demais a Raiza Varella por ter me dado a oportunidade de conhecer os Bittencourt e os Vittorazzi e me encontrar com eles mais uma vez! Espero que o terceiro livro, que ainda não li, supere os dois primeiros pra fechar a trilogia com chave de ouro!

NOTA: 4

Vocês já leram? O que acharam? Compartilhem os sentimentos com a leitura aí nos comentários que vou adorar saber! 😉

Beijos e até a próxima!

Continue acompanhando o blog nas redes sociais:

Instagram – Skoob – Twitter – Bloglovin’ – Canal Literamigas

Anúncios

Autor: Andresa Lee

30. Macapaense. Ama livros, jogos, doces, cães, Star Wars, conversas, nerdices e Netflix. Além de blogger literária no UDML, faz parte do canal Literamigas no Booktube.

4 thoughts

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s