Resenha: Enigma – Mundo Interdito, de Rita Pinheiro

“(…) nosso bem mais precioso é o amor, sem ele não saberíamos aproveitar o poder da natureza, nem poderíamos nos desenvolver como seres humanos, nossas vidas seriam vazias e sem sentido. O amor é a única coisa que não pode faltar aqui, é o nosso alimento diário, o ar que respiramos, é a base de tudo”.

Oi, oi, gente!

Recebi aqui, um tempo atrás, o livro “Enigma – Mundo Interdito“, da autora nacional Rita Pinheiro, publicado pela Editora Baraúna (2014, 298 páginas). Ele fez parte de um Book Tour que o blog participou.

enima rita pinheiro.jpg

Antes de mais nada, devo confessar que o livro me ganhou pela capa. Amo azul, amo água, amo histórias que se passam nesse ambiente, amo seres marinhos, então fiquei logo de cara muito curiosa e muito entusiasmada para saber qual era o enredo do livro.

Não costumo ler as sinopses antes de começar a ler algo, mas, para quem gosta, devo avisar que não tem como você saber sobre o que se trata a história ao ler o verso ou as orelhas do livro, pois não há nenhuma pista neles do que você vai encontrar, e sim alguns trechos do próprio livro. Para situá-los, vou contar sobre o que se trata.

“- O problema não é o mundo, e sim o comportamento das pessoas que vivem nele”

Em “Enigma – Mundo Interdito“, conhecemos Johnny, um jovem de 18 anos que vive em Franca/SP, em uma vida sem regras e sem grandes perspectivas para o futuro. Ele só quer saber de farrear e curtir o presente. Por ser bonito fisicamente e atraente para as meninas, ele é um verdadeiro mulherengo, saindo com uma a cada dia. Vive em festas, não estuda, mora sozinho e trabalha em uma lanchonete para pagar seus luxos. Como se não fosse o bastante, gasta também o dinheiro dos pais e frequentemente os desrespeita. Os vizinhos também não o suportam por conta das festas barulhentas que ele dá em seu apartamento.

Em uma dessas festas, um dos amigos de Johnny menciona que um conhecido deles ganhou uma viagem para a Flórida, porém estava impedido pelos pais de ir nessa viagem. Como um dos maiores sonhos de Johnny era viajar o mundo, ele vai atrás do garoto e negocia as passagens, partindo no lugar dele rumo à América do Norte.

No entanto, o que parecia um sonho ganhou ares de pesadelo quando o avião começa a atravessar a Ilha das Bermudas (também conhecida como Triângulo das Bermudas ou Ilha do Diabo). Algo inexplicável acontece com a aeronave e seus passageiros, deixando Johnny apavorado. Em pânico, ele consegue abrir as portas da saída de emergência e se joga na imensidão azul.

No entanto, o rapaz sobrevive, e é resgatado sem memória por Hera, uma linda moça de cabelos brancos. Ela o leva para casa para cuidar de seus ferimentos e explica a Johnny que ele está em Enigma, um lugar com costumes e seres totalmente diferentes dos nossos, mas que fica localizado no nosso planeta. Apesar de não se lembrar de como foi parar ali, nem de seu próprio nome, Johnny sabe que aquele não é seu lugar, pois tudo ali é muito esquisito para ele. Assim, fica desesperado para voltar para seu país. Mas Enigma tem um propósito maior para ele, e o rapaz deve escolher entre traçar seu caminho de volta para casa ou fazer parte de algo muito maior, cujas consequências podem afetar a vida de cada cidadão da face da Terra.

“Johnny aprendeu a se amar e continuava aprendendo a amar as pessoas. Hera sempre dizia que para amar seria preciso compreender as pessoas e se colocar no lugar delas em diversas situações. Mas os dois chegaram à conclusão que em Enigma era muito fácil amar a todos, porque as pessoas não eram injustas ou egoístas”

O que achei:

Iniciei a leitura sem qualquer pretensão, pois queria me surpreender com a história, o que de fato aconteceu. Embora o começo não seja tão estimulante quanto o final do livro, pois Johnny é, à princípio, um personagem nada simpático, a medida que a leitura avança nós não só percebemos a evolução do enredo e do personagem si, mas a evolução da escrita da própria autora.

Na verdade, acredito que o propósito de Johnny ser do jeito que é foi algo intencional, pois assim é possível ver a grande mudança sofrida pelo personagem ao longo de sua aventura em Enigma. E é muito lindo vê-lo crescendo e amadurecendo, aceitando uma nova realidade, mais humana e altruísta, sem mudar seu jeito de ser.

O mundo criado pela autora é extremamente apaixonante, daqueles que você suspira e morre de vontade de ser teletransportado para lá, sabe? Enigma é um mundo perfeito. Na verdade, é o mundo onde todos nós deveríamos viver se deixássemos as mesquinharias e o egoísmo de lado. Lá, os seres são mais evoluídos por conta do amor por si próprio e ao próximo, sentimento esse que permite que todos se desenvolvam intelectualmente e emocionalmente, desde muito jovens.

Assim, as pessoas são capazes de se controlar em qualquer situação e quase nunca perdem a cabeça. Não existe violência, trânsito, caos, desmatamento, poluição (de todos os tipos), nem preconceito. Animais raros não entraram em extinção. Todos os tipos de relacionamento são aceitos e encarados com naturalidade pela sociedade. Além disso, não existe a descrença nem o medo do desconhecido. Por esse motivo, as criaturas fantásticas não precisam se esconder e a trama é repleta de criaturas como bruxas, magos, sereias, ninfas, centauros…

O controle sobre a mente e o corpo permite que as pessoas sejam capazes de fazer coisas surpreendentes, como conversar por telepatia e se teletransportar. Além disso, a tecnologia do lugar é extremamente avançada, a favor do bem comum. Isso tudo é Enigma! Tem como pedir um cenário melhor?!

Admirei muito a forma como a autora mesclou o real com o imaginário, muitas vezes nos deixando não confusos, mas crentes de que esse lugar realmente existe, escondido por entre a neblina de uma ilha muito distante.

Outro ponto que gostei bastante foi a utilização de teorias extraterrestres para a habitação do mundo. Já tive meus períodos de viciada em fenômenos sobrenaturais e alienígenas, e vê-los criando o plano de fundo do livro me deixaram de boca aberta. É bem evidente o trabalho de pesquisa por trás do livro e aconselho quem ler, caso não tenha medo e goste do assunto, a pesquisar mais a fundo sobre essas teorias, que são bem interessantes.

Quanto à edição física, gostei bastante do trabalho da Editora, que ainda não conhecia. O material utilizado tanto na capa (que é brilhante) quanto nas páginas internas (amarelada, de textura grossa <3) é de excelente qualidade. Cada capítulo começa em uma nova página e, apesar da edição ser bem simples, é bem clean e de extremo bom gosto. As letras também são grandes, em fonte legível, o que propicia uma boa leitura sem cansar a vista.

O livro é escrito em 3ª pessoa. Confesso que nunca me importei com isso nos livros mas, pela primeira vez, acho que aqui a narrativa em 1ª pessoa cairia super bem. Apesar de ter apreciado a leitura, não me conectei com nenhum personagem, e acredito que, se o livro tivesse o ponto de vista de quem está vivendo a aventura, a escrita teria uma carga emocional maior e bem mais cativante.

Outro ponto que acho válido mencionar é o estilo do livro. Embora Johnny e Hera sejam personagens na faixa dos 18 anos, achei a escrita bem mais juvenil e menos adulta. Apesar das lições que o livro passa serem obrigatórias para todos os seres humanos, a forma como são abordadas no livro são bem didáticas. Indico para um público mais novo, que com certeza saberá apreciar bastante a leitura.

Por fim, gostaria de ter visto em alguns personagens que vivem em Enigma nomes diferentes e menos “brasileiros”. Como o local tem seu próprio dialeto, que inclusive o próprio Johnny demora um pouco para aprender, seria interessante lidar com nomes próprios únicos e especiais.

Enigma – Mundo Interdito” é uma mistura de fantasia, romance e ficção científica. Repleto de valores e ensinamentos que todos deveriam seguir, como respeitar uns aos outros, cultivar o amor, cuidar da natureza, dos animais e das plantas, indico para um público de todas as idades, especialmente para crianças e jovens que estão em fase de amadurecimento, para que esses ensinamentos preciosos possam ser internalizados e levados para toda a vida.

Por meio de outras resenhas, descobri que Enigma é uma trilogia. O segundo livro se chama “Enigma e o Salvador dos Mundos” e o terceiro volume, “Enigma – A Extinção“.

NOTA: 3

Gostaria de agradecer imensamente à autora Rita Pinheiro por ter me dado a oportunidade de conhecer seu livro, e a Viviana Mendonça, que organizou o Book Tour, por ter selecionado o blog para esse projeto! ❤ Muito obrigada!

Mas e vocês, já leram o livro ou se interessaram pelo tema? Se já leram, me contem o que acharam. E se não leram, leriam?

Beijos e até a próxima!

Continue acompanhando o blog nas redes sociais:

Instagram – Skoob – Twitter – Bloglovin’ – Canal Literamigas

Anúncios

Autor: Andresa Lee

30. Macapaense. Ama livros, jogos, doces, cães, Star Wars, conversas, nerdices e Netflix. Além de blogger literária no UDML, faz parte do canal Literamigas no Booktube.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s