Resenha: A Escolhida, de Amanda Ághata Costa

“Pude compreender, então, que existem pessoas que surgem em sua vida para mudá-la integralmente. Do início ao fim. Que vão do céu ao inferno para salvá-lo e, depois de tudo, ainda lhe garante que os dias são fáceis, o universo é bonito e que você é a razão de tudo isso.”

Olá, pessoal!

Alguns tempo atrás, o blog teve a felicidade de fechar parceria com uma autora nacional chamada Amanda Ághata Costa. Havia lido a sinopse do livro dela e, de primeira, tinha ficado super encantada! Logo que fechamos a parceria, eu queria logo ler o livro, pois sabia que ia me apaixonar.

A EscolhidaA Escolhida“, primeiramente publicado de forma independente e, depois, pela Editora Arwen (2015, 452 páginas) é o primeiro volume de uma trilogia de mesmo nome, e trata-se de um romance fantástico. Não lembro ao certo qual foi o último livro do gênero que li, então não sabia bem o que esperar. Só queria ser surpreendida! E não foi diferente! Antes de começar a tagarelar sobre o quanto gostei desse livro, vou apresentar a história a vocês.

Ariali (gente, amei esse nome!!!) é uma menina que foi abandonada pelos pais quando ainda era um bebê. Acolhida por Lina, Ari (seu apelido) teve uma infância e um desenvolvimento muito difícil. Por ser metade anjo, metade demônio, ela possui asas que despertam a curiosidade das pessoas. Além disso, existe algo nela que a faz ser temida. Apesar de todos os esforços de Lina para tentar fazer Ari se socializar, ela não consegue se aproximar de ninguém.

Em meio a tanto sofrimento, Ari tornou-se uma rocha, uma pessoa fria e sem sentimentos. Assim, o seu lado demônio sempre falou mais alto. Sua sede de poder e de sangue é enorme e, com apenas 18 anos, ela carrega vários assassinatos nas costas.

Certo dia, ela é interceptada por dois feiticeiros que, por ordem de Egran, devem levá-la até o Círculo. Egran é o líder dos feiticeiros e o Círculo é a morada deles. Todos o obedecem sem pestanejar, por puro temor. Ciente dos dotes de Ari, Egran arma para que ela o ajude a concretizar certos planos e fazer alguns serviços para ele. Em troca, ela terá o que mais deseja: respostas sobre quem é, sobre seus pais e seu passado sombrio. Quando Egran a rapta para que ela trabalhe para ele, Ari vê uma pontinha de esperança em obter informações sobre seu passado que finalmente vão poder esclarecer quem ela é de verdade.

Enquanto vive no Círculo, ela é forçada a conviver com outros feiticeiros. Dentre eles, está Luke, um rapaz com um enorme coração, que passa a acompanhá-la em sua rotina e em suas missões. A ligação entre eles é estranha e, ao mesmo tempo, inevitável, intensa, e logo Luke passa a agir como seu protetor. Ari também tem que dividir um quarto no Círculo com Vincy, irmã de Luke, uma garota dona de uma personalidade bem peculiar. Divertida, histérica e teimosa, à princípio as duas se odeiam. No entanto, Vincy também tem um coração muito bom, e faz com que Ari integre seu círculo de amizades depois de muita relutância.

“Ela não percebe que o mundo, na realidade, é uma porção de crueldade infinita e que todos estão dispostos a aplaudir mais os fracassos do que as vitórias dos demais.”

O que achei:

Bem, a sinopse já diz uma boa parte do que você vai encontrar durante o livro, mas me permitam falar um pouquinho mais sobre ele.

Ariali é uma personagem completamente diferente de todas as outras que já encontrei, mesmo as mais duronas! Ela simplesmente não é uma mocinha convencional. Não precisa ser salva, não é frágil, delicada, sensível. Muito pelo contrário. Embora tenha aparência angelical, derivada de sua origem, uma parte dela, a mais obscura, é a que vem à tona. Ela não segue regras e não se preocupa com as pessoas, o que a faz bloquear qualquer tipo de sentimento. Sem respostas sobre quem é e o que veio fazer no mundo, Ari é completamente ressentida com seus pais, que a abandonaram.

“(…) a vida é curta demais ao ponto de deixarmos os maus pensamentos nos consumirem.”

Confesso que não simpatizei em nada com a personagem, sempre tão agressiva e sorrateira. Ela tem respostas atravessadas na ponta da língua sempre, em qualquer situação, e muitas vezes me deixava irritada com sua pretensão, rs.

Luke e Vincy também tem um histórico semelhante ao de Ari: uma vida sofrida, sem os pais, o que acaba os unindo. Eles serão os principais responsáveis por transpassar os muros que Ari construiu em volta de si. É muito gostoso ver a transformação da personagem, a forma como ela, aos poucos, começa a abrir as portas do seu coração, se permitindo finalmente sentir. A autora a trabalhou de uma forma genial e é aí que entendemos o motivo de Ari ser do jeito que é. A batalha interna dela, de combater o bem com o mal, é visível. Podemos sentir seus altos e baixos, suas indecisões e medos vindo à superfície.

“Enquanto milhares de pessoas insistem em desperdiçar as oportunidades, eu faço o impossível para tê-las.”

Eu nem tenho palavras suficientes para descrever o quanto gostei desse livro! A cada página em que li um trecho que gostava, fazia uma marcação. Quando terminei, tomei um susto: foram 72 quotes preferidas, um super recorde! Geralmente marco umas 15 passagens que me agradaram, então, só por isso, vocês podem entender o nível do meu sentimento por “A Escolhida”.

O personagem que mais amei foi Luke e acho que ele se tornou uma das minhas maiores paixões literárias, rs. Ele é simplesmente um amor! Sempre preocupado em ajudar Ari e mantê-la à salvo, em trazer a melhor parte dela para fora e fazê-la enterrar seus demônios, Luke é simplesmente um mocinho perfeito! ❤

“Certas palavras são como pedras jogadas numa represa. Exercem pressão e criam furos até na camada mais sólida.”

No entanto, todos os outros são muito, muito bem construídos. A personalidade deles transborda das páginas. Ari, com sua agressividade e sua dualidade. Luke, com sua benevolência e bom caráter. Egran, com sua prepotência e excentricidade. Vincy, com sua teimosia e afetuosidade… O livro e os personagens conseguiram me despertar muitos sentimentos…

Embora o início seja meio confuso, pois estamos adentrando um terreno desconhecido e os diálogos ainda não se encaixam bem na nossa cabeça, a história é muito original, bem escrita e tem uma carga emocional muito grande. Entre cada fala, cada pensamento dos personagens, existem mensagens e filosofias que nos fazem repousar o livro e ficar refletindo por horas, sabe? Certos trechos são poesia pura. Chorei, ri e torci muito durante a leitura!

“Ninguém nunca me olhou assim tão profundamente. Em muitos anos, ninguém nunca me quis por perto, ao menos.”

O mais legal de se observar é que, mesmo em meio a tantas criaturas (feiticeiros, anjos, demônios, fadas, lobisomens…) e a tantas situações de vida ou morte, os personagens são… apenas jovens! Sim, desses que se preocupam com o amor, a aparência, em se divertir em festas, fofocar sobre meninos no quarto. Essa mistura de algo tão rotineiro mesclado com o sobrenatural ficou muito interessante!

A única coisa de que senti mais falta foi ver Ari em mais missões envolvendo o Círculo. No entanto, como é uma trilogia, creio que ainda há muito mais por vir, o que aguardo ansiosa! Lógico que não repassarei aqui todas as quotes que marquei, mas selecionei algumas para vocês sentirem um pouco do sabor do livro e as espalhei ao longo do post.

“Falar sobre a paz é totalmente embaraçoso, porque para alguns, ela se resume a um beijo ou um abraço. Olhar as estrelas, escutar as ondas quebrarem-se na encosta. Para Luke, uma simples caminhada até o jardim é capaz de resolver os seus temores. Já a minha paz sempre foi encontrada no último suspiro, no último olhar, nos últimos instantes da própria paz do outro. As nossas semelhanças são mínimas e, quando colocadas frente a frente, me fazem perceber o quanto não sirvo para estar entre eles.”

Realmente espero que consiga ter passado para vocês todo o meu sentimento com relação à A Escolhida. Quando gosto muito de algo, tenho mais dificuldade em externar, rs!

O livro termina fazendo um excelente elo para o início do segundo livro (e, sim, eu chorei com o final!). A autora já me adiantou que o próximo volume será narrado pelo Luke, então preciso desesperadamente lê-lo! ❤ Meu nível de fã histérica foi tão alto que, embora a capa do livro seja linda e combine perfeitamente com a Ariali, só consegui imaginar dois atores interpretando Ari e Luke na minha cabeça: Chloë Grace Moretz e Dylan O’Brien!!! Sim, sou dessas que imagina atores no lugar dos personagens, rs!

“Alguns capítulos eram simplesmente tão ruins que deveriam ser descartados e reescritos. Nós merecíamos ao menos um capítulo bom, no meio de tantos outros deploráveis. Nós merecíamos, mas eu nunca tive o meu”

Gostaria de agradecer a Amanda por ter me dado a oportunidade de ler esse livro tão lindo! É maravilhoso ver que temos autores nacionais tão talentosos estão ganhando cada vez mais espaço nas nossas estantes! ❤

NOTA: 4

Mas e vocês, já leram esse livro? Se não, leriam? Gostaram da história?

Beijos a todos e até a próxima!

Continue acompanhando o blog nas redes sociais para outras novidades:

Instagram – Skoob – Twitter – Bloglovin’ – Canal Literamigas

Anúncios

Autor: Andresa Lee

30. Macapaense. Ama livros, jogos, doces, cães, Star Wars, conversas, nerdices e Netflix. Além de blogger literária no UDML, faz parte do canal Literamigas no Booktube.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s